Carregando... Aguarde...
Home
Administração e Negócios
ADOLESENTE
ARTE
ASTRONOMIA
Átlas
AUTOAJUDA
AUTOAJUDA -RELAÇÕES INTERPESSOAIS
AVENTURA
BIOGRAFIA
CIENCIA
Concursos
CONTOS
CRITICA
CRITICA LITERARIA
CRÔNICAS: LITERATURA BRASILEIRA
DESENVOLVIMENTO HUMANO
DESENVOLVIMENTO PESSOAL
Dicionários
DIREITO
DRAMA
ECONOMIA
EDUCAÇÃO
ENSAIO
ERÓTICO
ESPIRITUALIDADE
ESPORTE E LAZER
ESTILO DE VIDA
ETICA
EUROPEIA
EVOLUÇÃO
EVOLUÇÃO PROFISSIONAL
FANTASIA
FICÇÃO
FILOSOFIA
GESTAO DE LIDERANÇA
HISTORIA
HISTORIA DE VIDA
HISTORIA, LITERATIRA -NÃO FICÇÃO
HQS
HUMOR
Infantil
INFANTUJUVENIL
JOGOS
JORNALISMO
Jurídicos
JUVENIL
LINGUISTICA
Literatura
LIVRO DE REFERENCIAS
Manuais
MISTERIO
MOTIVACIONAL
MUSICA BRASILEIRA
NÃO-FICÇÃO
NEGÓCIOS
NEGÓCIOS/CARREIRA
Pedagógicos
POESIA
POLITICA
PSICOLOGIA E ACONSELHAMENTO
RECEITAS
RELACIONAMENTO
Religiosos
Romance
ROMANCE CONTEMPORANEO
SAUDE
Saúde e Beleza
SEXUALIDADE
SUSPENSE
TÉCNICO
TERROR
TRATADO
TRILLERS CRIME

Newsletter



Passe o mouse na imagem para zoom

  • Imagem 1



CONFESSO QUE PERDI
Avaliação dos clientes: ( )

Preço:51.90 R$





Compartilhe




  • Descriçao do Produto
  • Comentários de Clientes
  • Video do Produto

Em quase cinquenta anos de atuação como jornalista, Juca Kfouri acompanhou de perto, como observador ou participante (e muitas vezes as duas coisas), experiências fundamentais do mundo da política, da cultura e do esporte. O saldo é uma inescapável sensação de derrota, compartilhada nas memórias que o autor registra em Confesso que perdi. Juca cobriu todas as Copas do Mundo desde 1982, e já havia participado indiretamente da cobertura das Copas de 1970, 1974 e 1978. À frente da revista Placar, foi responsável por desvendar e denunciar a chamada “máfia da loteria esportiva”, e por memoráveis capas como a que trazia seu amigo Sócrates posando como “O pensador”, de Rodin. Na Playboy, revista que também dirigiu, Juca publicou entrevistas e reportagens notáveis, como a que revelou a identidade do desenhista Carlos Zéfiro, um segredo que durava mais de trinta anos: tratava-se do funcionário público Alcides Caminha, parceiro de Nelson Cavaquinho e Guilherme de Brito. Tendo se oposto à construção do Itaquerão, o corintiano Juca estava no meio da torcida na fatídica noite de 1977, quando o time quebrou o jejum de mais de vinte anos sem títulos. “Não sei como, fui parar no gramado do Morumbi, com uma bandeira na mão, bandeira que não levara ao estádio e não me recordo de ter comprado”, lembra, sem lembrar. É com a sinceridade de quem sabe que a memória é traidora que o autor nos oferece essas deliciosas confissões de derrota.

Escreva seu próprio comentário para o produto

Comentários Enviados

Este produto não recebeu nenhum comentário até agora. Seja o primeiro e enviar um comentário para este produto!